Vacina para trabalhadores da educação: Prefeitura já faz levantamento mas aguarda envio de doses pelo Governo.

Por Publicado em:25/05/2021 | Atualizado em:29/11/-0001 53

Segundo informação da assessoria da Prefeitura, dados vão servir para planejamento de futura vacinação, que dependerá de envio de doses pelo Governo Federal. Em Santa Luzia Prefeitura anunciou vai “passar educadores na frente da população privada de liberdade (presos)”

A Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Itaúna informou no início da tarde que vai iniciar levantamento dos trabalhadores na educação para que possa fazer o planejamento da vacinação deste público quando o Governo Federal liberar as doses de vacina destinadas a esse público.

No comunicado da Prefeitura o secretário de Saúde, Fernando Meira afirma que “vamos usar este instrumento legal de verificação para auxiliar no planejamento de vacinação quando este público-alvo puder ser contemplado, de acordo com o PNI (Plano Nacional de Imunização). Ressaltamos que ainda não há nenhuma informação do Ministério da Saúde sobre esta questão. Apenas estamos conhecendo a nossa realidade e já nos preparando para atender estes profissionais da melhor maneira possível quando estiver liberado. Como temos feito ao longo da campanha, buscamos dar a maior publicidade possível a todas as ações que estamos realizando para que ninguém deixe de ser imunizado. Novas doses estão em produção ou chegarão ao Brasil nas próximas semanas e se Deus quiser muito breve estaremos todos vacinados”.

Algumas cidades mineiras estão anunciando que vão vacinar o pessoal da educação nas próximas ações. O município de Santa Luzia, na Grande BH, informou que vai inverter a ordem do PNI e que vai vacinar os trabalhadores na educação antes do pessoal privado de liberdade (presos).

Veja a Ordem de vacinação definida pelo Governo Federal

O Plano Nacional de Imunização (PNI), divulgado pelo Governo Federal determina que os presos sejam vacinados antes. Conforme o Ministério da Saúde, após a imunização do pessoal com comorbidades, que está ocorrendo no momento, os próximos públicos, pela ordem, são os seguintes:

- Pessoas em situação de rua;

- População privada de liberdade (presos);

- Funcionários do sistema de privação de liberdade;

- Trabalhadores da educação do Ensino Básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA);

- Trabalhadores da educação do Ensino Superior.

Caso não faltassem vacinas, se o Brasil tivesse feito aquisição de mais laboratórios, por exemplo, esses não seriam problemas a serem administrados, pois a capacidade brasileira (do SUS) de vacinar grandes massas de pessoas de uma vez é reconhecida mundialmente.

Como há falta de vacinas, existem estes problemas de ter que determinar quem vai ser imunizado, a cada momento.

Compartilhe esta notícia