COMPLICADO - Vacinação desorganizada e muitas reclamações

Por Publicado em:07/01/2022 | Atualizado em:29/11/-0001 75

Prefeitura convocada, pessoas comparecem, mas sistema está bagunçado

A Covid-19 voltou no início de 2022 com força. Nos últimos dias os números de contágios, que estavam mantendo a média de um dígito até o início da segunda quinzena de dezembro, voltaram a disparar. Na quarta, 5, e na quinta-feira, 6, por exemplo, a média de casos-dia foi superior a 90. E na quarta-feira mais uma morte causada pela Covid foi registrada em Itaúna. A vítima de número 286 do município é uma mulher, de 33 anos. Por outro lado, vários estudos têm demonstrado que o fato de a vacinação estar avançando faz com que os casos de contágio não sejam graves como estavam sendo no início da pandemia.
Porém vacinar-se em Itaúna se tornou uma batalha a ser travada pelos cidadãos, na tentativa de serem atendidos, isso depois de obterem alguma informação. Se a pessoa estiver ligada na internet, ela fica sabendo quando há previsão de ter doses de vacina, pois a Prefeitura só faz as divulgações através do Instagram, Facebook, WhatsApp... Depois de ficar sabendo, via redes sociais, que haverá vacina nos postos, passa-se a uma outra batalha: torcer para que realmente tenha e, depois, conseguir se vacinar.
Na primeira semana deste ano foram muitas as reclamações que chegaram ao jornal, já que a Prefeitura divulgou pelas redes sociais que haveria vacina nos postos, na última quarta-feira para quem fosse tomar a primeira, a segunda e até a dose de reforço. Porém as unidades receberam número mínimo de doses. No Bairro das Graças, por exemplo, eram 18. (assim como em todas as outras unidades de bairros). Assim pessoas chegaram ao local às 8h30 e tiveram de ficar ali até as 13h, horário marcado para iniciar a vacinação. No Posto de Saúde Central, com 108 doses e mais de duzentas pessoas em busca da imunização, nova confusão.
Porém, no posto de saúde do Nogueirinha, que fica na Avenida Jove Soares, aconteceu vacinação ainda pela manhã – diziam que o horário seria a partir das 13 horas – e sem filas. Antes disso, ao procurar postos de saúde, as pessoas não conseguiam respostas a seus questionamentos. “Virou bagunça!”, definiu um cidadão, ao criticar o que está ocorrendo a partir do momento em que foi definido que não haveria mais agendamento.

Secretário explica problemas e aponta solução

O secretário de Saúde de Itaúna, médico Fernando Meira, disse à FOLHA que já estava ciente dos problemas ocorridos e explicou que esses aconteceram por causa da implementação de uma estratégia que acabou não dando muito certo. “Nós programamos a vacinação para o período da tarde, para desafogar um pouco as unidades de saúde, já que pela manhã é que são realizadas a maioria dos procedimentos, além de a procura pela vacinação estar sendo reduzida. Porém, a procura pela vacinação aumentou, com a questão do aumento de casos com a variante Ômicron e também a síndrome gripal dos últimos dias. Vimos que não deu certo e vamos buscar corrigir os problemas ocorridos”, disse Fernando Meira.
O secretário lembrou ainda que, além dos fatos apontados, havia poucas doses disponíveis, sendo 18 para cada unidade de saúde e 108 para o Posto Central. “Fizemos um pedido de duas mil doses para a próxima etapa, possivelmente na semana que vem. Vamos manter a vacinação sem necessidade de agendamento e pretendemos que todos os problemas sejam solucionados. Com mais doses para atender à demanda, a vacinação deverá voltar a ser realizada pela manhã e o atendimento por ordem de chegada”, concluiu o secretário.

Compartilhe esta notícia