CHOVEU, MAS CHOVEU MUITO, MESMO!

Por Publicado em:07/01/2022 | Atualizado em:29/11/-0001 212

Vários pontos da cidade foram alagados. Medo, susto, pânico... sentimentos do início de ano dos itaunenses

Se com relação à questão de saúde a nova onda da Covid-19, com a variante Ômicron, está causando muitos casos de contágio e a preocupação com uma nova onda da doença é muito grande, o início de ano de muitos itaunenses teve um acréscimo de preocupação: as chuvas. Parece até incoerência falar em “problemas com a chuva”, visto que a necessidade de chuva tem sido uma constante, entra ano, sai ano... Porém, como tem chovido muito, “mas muito, mesmo”, como disse uma senhora à reportagem, vários alagamentos, enchentes, queda de barrancos, formação de crateras em algumas ruas e toda sorte de problemas urbanos surgiram. A necessidade de se prevenir para este período é visível, mas há casos em que não basta só prevenção. Tome-se por base as margens do Rio São João e de alguns córregos, como o dos Capotos, que transbordou na altura da Av. JK. Há alguns meses a Prefeitura iniciou a limpeza do leito do Rio São João e, conforme alguns moradores do Bairro São Judas Tadeu, não fosse esse serviço, a situação teria sido mais grave. Os dias têm se passado com apreensão. Homens, mulheres, crianças, idosos, olhos ao longe, observando as águas do São João subirem, chegarem à beira da varanda, rondar os quintais e depois voltar ao leito, mais calmas. Que a chuva caia, espaçada, aos poucos, como tanto precisamos, mas que não venha em grandes volumes, trazendo mais sustos e medos, pois 2022 tem que ser um ano melhor que o 2021, lembremos sempre. Pode chover, mas aquela chuva mansinha, chamada de “molha bobo...”.

Compartilhe esta notícia