ASSASSINOS! - MP denuncia autores pela morte de taxista

Por Publicado em:14/01/2022 | Atualizado em:29/11/-0001 106
ASSASSINOS! - MP denuncia autores  pela morte de taxista Foto: reprodução da denúncia do MP

Se condenados à pena máxima, podem pegar até 33 anos de cadeia

O promotor de Justiça da 2ª Vara Criminal de Itaúna, Rodrigo Bragança de Queiroz, apresentou denúncia contra os três homens acusados e assassinos confessos do taxista Márcio Nogueira dos Santos, no dia 26 de dezembro passado. A denúncia apresentada pelo promotor narra os momentos do roubo e, depois, da morte do taxista, em ações que são descritas pelos próprios autores. O crime, confessado pelos autores, é narrado na denúncia, demonstrando a covardia e brutalidade com que foi cometido, sem deixar quaisquer oportunidades de reação à vítima.

Segundo os autores do assassinato, a intenção era de roubar o veículo e em seguida vendê-lo na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o que não conseguiram. Da vítima os marginais levaram R$ 700. No depoimento colhido dos acusados, eles informam que, já com a intenção de roubar o veículo, pesquisaram serviços de taxistas de Itaúna e, em seguida, fizeram contato com Márcio, via aplicativo de WhatsApp. Neste contato foi contratada uma viagem até o município vizinho de Itaguara, saindo do Morro do Engenho. No percurso da viagem foi anunciado o assalto, por Maycol, que estava no assento dianteiro.

Após anunciar o assalto, apresentando à vítima uma réplica de arma de fogo que estava na sua cintura, Maycol passou uma “enforcadeira” no pescoço de Márcio e contou com a ajuda dos demais envolvidos, Samuel e Carlos, para enforcar o motorista até que ele perdesse os sentidos. Ainda na peça da denúncia, os bandidos pararam nas margens da estrada, em Pinheiros, município de Itatiaiuçu, quando concluíram o assassinato, abandonando o corpo no local, seguindo para a região do Barreiro, em Belo Horizonte, onde pretendiam negociar o veículo, Volkswagen Virtus, placas RNL3A17.

O trio se separou, ainda na região do Barreiro, tendo Maycol optado por voltar a Itaúna de ônibus e Carlos e Samuel continuaram com o veículo furtado, até que fossem presos, conforme já informado pela polícia, ao efetuar a prisão dos dois elementos. Após a prisão e a confissão do crime, além de indicar onde estava o corpo de Márcio, Samuel e Carlos também deram informações que levaram à prisão de Maycol, também conhecido como “Peruano”.

A denúncia apresentada pelo promotor Rodrigo Bragança de Queiroz conclui com a seguinte afirmação: “Agindo desta forma, incorreram os denunciados nas sanções do art. 157, § 3°, inciso II (latrocínio), c/c art. 211 (ocultação de cadáver), na forma dos arts. 29 (concurso de pessoas) e 69 (concurso material de crimes), todos dispositivos do Código Penal, observados, quando ao crime patrimonial, as agravantes do art. 61, inciso II, alíneas “a” (motivação torpe), “c” (dissimulação) e “d” (meio cruel – brutalidade excessiva), do Código Penal e os rigores da Lei 8.072/90, pelo que requer o Ministério Público, recebida esta denúncia, a citação de todos para apresentação de defesa preliminar que, porventura tiverem, e o prosseguimento do feito em seus ulteriores termos para que, cumpridas todas as formalidades exigidas pela lei, ao final, sejam Maycol Zacarias Human Leiva, Samuel Henrique Martins da Silva e Carlos Henrique dos Santos Gonçalves C O N D E N A D O S, nas penas que lhes couberem”. Caso sejam condenados, a expectativa é de prisão de 21 a 33 anos de cadeia para cada um dos envolvidos.

Compartilhe esta notícia