Coluna do Atlético

Não é preciso entender de futebol para ver que o Galo entrou em mais uma fria neste ano. Primeiramente, entrou numa fria ao buscar na Venezuela um técnico que parece mais um modelo, e de tão bem vestido, é o que mais aparece no setor dos treineiros. Mas, pelo que foi mostrado até aqui (nada vezes nada), pois o homem só sabe trocar, a cada jogo fazendo uma pelada diferente. Nestes quatro jogos o time foi diferente, cada um pior que o outro. Começou no jogo com a Uberlândia, no Triângulo, onde teve a sorte do adversário perder um pênalti.

Seguindo, veio o Tupinambás, sem goleiro e com um jogador expulso ainda no 0X0, no primeiro tempo, ganhamos de goleada. No meio da semana passada, apareceu um tal de Coimbra, que parou o nosso time e ficamos no 0X0, incrível! Na quarta rodada, suamos para empatar com a Tombense, depois de ficar o tempo quase todo perdendo, até que viesse o gol salvador de empate (Sic).

Na quinta-feira, levamos um passeio de bola, apanhamos do Colon da Argentina de 3X0 pela Sulamericana na nossa estreia na competição, uma vergonha, erramos muito gols, não tivemos meio de campo e nossa defesa estava igual peneira e o ataque não existiu.

Ou seja, não jogamos. Neste domingo, só o milagre não deixa nosso time perder para o “Sopinha de Letras” de Minas, o URT, de Pato de Minas. Provavelmente, seguindo o vexame, vem o Campinense de Campina Grande pela Copa do Brasil (onde já estamos longe), acho que só vamos estrear na competição (Sic). Muitos galistas podem e não devem gostar dos comentários do Galo que faço.

Mas faço questão de analisar o momento do futebol, e como até agora não houve futebol, vai o comentário sobre o tanto que vamos sofrendo até aqui, já que este 2020 está é com cara de outra divisão (Sic).

Isaias 44,3: “Porque derramarei água sobre o solo se viçoso e fá-la-ei correr sobre a terra árida. Derramarei meu espírito sobre sua posteridade e minha benção sobre teus rebanhos”.

Avalie este item
(0 votos)

Compartilhe esta notícia