Uma “operação mais que sinistra...”

No fim do ano passado, especificamente na primeira quinzena de dezembro, fomos surpreendidos por uma operação das policias Militar e Civil, a pedido do Ministério Público Estadual e autorizada pela Justiça, que buscava provas para abertura de inquérito e posterior denúncia envolvendo contrato de publicidade firmado na modalidade “carona” pela empresa de publicidade da jornalista responsável pelo jornal S’Passo e a Câmara Municipal de Itaúna. Foram envolvidos na operação também, além do presidente da Câmara, vereador Alexandre Campos, o ex-vereador e ex-presidente da Casa de Leis e ex-secretário de Infraestrutura do atual prefeito, Silmar Moreira de Faria, este que os escreve, Renilton Gonçalves Pacheco, que sou o responsável pelo jornal FOLHA do Povo, dentre outros. As alegações foram fraude licitatória, peculato e associação criminosa. A denúncia, se não está na Justiça, está prestes a ser encaminhada. Faço esta introdução primeiro para deixar claro que não tenho, como nunca tive, nada a esconder. Meus problemas pessoais não são da conta de ninguém e os profissionais sempre estiveram disponibilizados a todos, tanto os judiciais quanto os políticos, ambos debatidos no jornal nestes 25 anos de labuta, ao seja, publicamente.

O principal motivo de voltar ao assunto – que ainda será motivo de publicações sensacionalistas, discussões e muita fofoca nestes próximos 90 dias para discutir o tema eleições municipais, suas nuances e seus efeitos e também o jogo sujo periférico que envolve a disputa pelo voto, sempre protagonizado por terceiros – é expor a nojeira que envolve os bastidores de uma campanha política. Os denominados “foguetinhos”, que normalmente estão a serviço dos candidatos majoritários, aproveitam para disseminar o ódio e a mentira, para tentar ceifar candidaturas, depois de desestruturar a campanha e diminuir o adversário, visando convencer o eleitor e ganhar a qualquer custo.

Pois muito bem. Esta semana o “gabinete do ódio”, instalado em uma das salas do prédio da Câmara Municipal, resolveu iniciar uma campanha contra um dos possíveis vices da chapa considerada oposicionista à reeleição, e aglutinou alguns idiotas para disseminar uma reportagem da TV Globo regional, no MG TV, sobre a operação “Carona Sinistra”, deflagrada em dezembro de 2019. Espalharam o vídeo da reportagem para milhares de celulares, com um único objetivo, atingir o presidente da Câmara, Alexandre Campos. E de carona, atingir a jornalista Luciene Alves, do jornal S’Passo, e este jornalista. Até conseguiram fazer algum burburinho, mas só isso, pois o assunto já era público, está na Justiça e lá terá desfecho, o que é natural, pois a Justiça está aí para dirimir dúvidas, coibir abusos, reprimir erros e condutas inconcebíveis. E mais que isso, esclarecer e condenar os desvios de conduta, principalmente dos homens públicos.
No caso em tela, o presidente da Câmara alega que o contrato na modalidade carona não é ilegal e que se apoiou em pareceres técnicos de sua Procuradoria e Assessoria Jurídica para assiná-lo. Eu posso afirmar categoricamente que não fiz nada de inescrupuloso, vendi espaço nas páginas da FOLHA, e por um preço que considero justo. O jornal é particular e não existe uma tabela fixa de valores, como alegado, até porque os critérios de preços na área são diversos, levando-se em consideração tiragem, credibilidade, número de páginas, circulação, dentre outros inúmeros fatores. Então, quem coloca o preço no espaço é o responsável pela publicação. Exemplo simples: o preço da publicidade na Rede Globo não pode ser igual o do SBT ou outra TV. O padrão Globo de qualidade permite valores diferenciados. Nos jornais locais pode-se empregar a mesma comparação. Não há o que discutir.

Como já havíamos manifestado à época, respeitamos as ações do MP e vamos responder na Justiça, se for o caso, mas não compactuamos com a utilização maldosa, criminosa e pouco benta de alguns inescrupulosos que não têm a coragem de mostrar a cara. Em nossa opinião, gente torpe, sem credibilidade e formação de caráter. Por que não fazem como nós? Estamos aqui, trabalhando, tentando construir algo de útil para a comunidade itaunense e região. Com todas as ações inibitórias e escusas e mal-engendradas nestes 25 anos de circulação da FOLHA em nossa direção, estamos aqui. E vale frisar que, apesar da torcida contra, o jornal não deixou de circular e sua credibilidade não foi abalada em momento algum. Sabe por quê? Construção de um trabalho sério, voltado para a comunidade, sem amarras e sem mentiras e, mais que isso, transparente. Podem até pensar o contrário, mas estão enganados.
Se querem tripudiar, criar fatos políticos e usar meios escusos e antiéticos para disputar uma eleição, que os façam com transparência. Venham a público e falem o que pensam. Eu, por exemplo, exponho as minhas opiniões e assino. Não me escondo atrás de ações malfeitas para atingir pessoas. Em se tratando de eleições municipais, por exemplo, dei minha opinião sobre o quadro político na semana anterior aqui neste espaço. Meu Editorial foi claro e objetivo. Acho que todo cidadão tem o direito de disputar o pleito, mas acho que dificilmente vão tirar a reeleição do atual prefeito. Afirmo isso não por ter lado, mas por achar que, como cidadão, tenho o direito de opinar sobre o futuro da minha cidade. E, como jornalista, mais ainda, além de opinar, devo formar opinião. Tanto que todos conhecem o slogan do jornal, que há anos é usado em nossas campanhas publicitárias: JORNAL TEM QUE TER OPINIÃO.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Quinta, 17 Setembro 2020 14:29

Compartilhe esta notícia


Warning: preg_match(): Unknown modifier '/' in /home/storage/d/52/6b/folhapovoitauna1/public_html/plugins/system/cache/cache.php on line 217