INFLAÇÃO - Carne aumenta e preço continua subindo

Por Publicado em:29/11/2019 | Atualizado em:29/11/2019 317

A China voltou a importar a carne bovina brasileira e o Dólar está em período de aumento na cotação frente ao Real. As duas informações se transformam em aumento de preços e é o que as famílias brasileiras estão sentindo com a carne, e seguramente vão notar em outros produtos, como os derivados do trigo e do petróleo, já que a Petrobrás dolarizou a cotação do óleo também para o mercado interno. Com a carne os valores altos já são sentidos nos últimos dias, com acréscimo entre 15 e 20 por cento no preço final ao consumidor.

Em rápida pesquisa da reportagem da FOLHA, foi possível averiguar, também, que uma das saídas para não pagar o maior preço é pesquisar muito. Tendo como base os preços cobrados na quinta-feira, 28, dos cortes da carne bovina Alcatra, Chã de Fora e Patinho, três açougues em pontos diferentes da cidade foram contatados e uma rede de supermercados. Os preços encontrados foram: Alcatra – R$ 36,99; R$ 31,90; e R$ 27,90, com diferença de quase R$ 9 por quilo, comparando o maior e o menor preço.

Chã de Fora – R$ 26,99; R$ 22,90; R$ 24,90 e R$ 23,90. A diferença no preço do quilo, entre o mais caro e o mais barato dentre os pesquisados, é de R$ 4,09. E o Patinho foi encontrado a R$ 28,99; R$ 24,90; e R$ 23,90, diferença entre o maior e o menor preço de R$ 5,09.
Os comércios pesquisados estão localizados 2 em bairros e 2 no Centro. Nos bairros o valor cobrado é um pouco menor, quase equiparado aos valores da rede de supermercados que pode colocar valores menores dado à aquisição de maior volume de mercadoria.

Também não foi levado em conta a qualidade do produto, apenas os preços. Conforme especialistas, além de pesquisar muito, as pessoas devem mudar seus hábitos, buscando alimentos mais baratos no mercado.

As previsões são de que o Dólar continuará em alta e que o preço da carne não deve cair nos próximos meses. Também se anuncia alta de preços no pão, macarrão e outros derivados do trigo, assim como dos combustíveis.

Em contrapartida, a equipe econômica do Governo Federal anunciou redução na previsão do reajuste do salário mínimo, que seria de R$ 1.040,00 para o próximo ano e agora a previsão é de que seja de R$ 1.031,00.

Última modificação em Sexta, 29 Novembro 2019 16:39

Compartilhe esta notícia