Mães querem vagas no Padre Eustáquio

Por Publicado em:15/12/2018 | Atualizado em:29/11/-0001 174
Mães querem vagas no Padre Eustáquio Um grupo de mães de alunos procurou a FOLHA no início da semana para reclamar da mudança nos critérios do cadastramento escolar, que estariam prejudicando seus filhos

Um grupo de mães de alunos procurou a FOLHA no início da semana para reclamar da mudança nos critérios do cadastramento escolar, que estariam prejudicando seus filhos

Um grupo de mães de alunos procurou a FOLHA no início da semana para reclamar da mudança nos critérios do cadastramento escolar, que estariam prejudicando seus filhos. Alegaram que os filhos estudaram os anos iniciais na Escola Estadual Santana, no bairro Padre Eustáquio, e que pretendiam uma vaga na Escola Victor Gonçalves de Souza, no mesmo bairro, como ocorria até então. Porém, com a mudança os alunos foram matriculados em outras escolas, próximas de suas casas, o que contraria as mães, já que estariam colocando seus filhos em ambientes que as mesmas não desejam. A reportagem entrou em contato com a secretária de Educação, Alessandra Araújo, rem na escola mais próxima de suas residências. No caso envolvendo as escolas citadas, Alessandra disse que “a demanda maior era para a Escola Víctor Gonçalves, e que já havia reclamações de moradores daquela região que ficavam sem vagas para os filhos devido ao critério anterior. Então, com 60 pretendentes e só 17 vagas, a comissão decidiu pelo sorteio entre os pretendentes”. E é essa decisão, de se fazer sorteio, que está sendo contestada. As mães preferem o critério do melhor aproveitamento, ficando com as vagas os alunos com as melhores notas. Alessandra disse que já marcou reunião com a comissão e as mães para buscar uma solução de consenso. A reunião deve acontecer nos próximos dias. que informou que a decisão é de uma comissão formada especialmente para tratar do tema. “Nesta comissão tem representação das direções das escolas estaduais, da Secretaria, de outras entidades, e é coordenada pela inspetora Daniela, ligada à Superintendência de Ensino”. Conforme a secretária, a autonomia para tomar as decisões é desta comissão e que foi seguida a legislação que garante o direito às crianças de estudarem na escola mais próxima de suas residências. No caso envolvendo as escolas citadas, Alessandra disse que “a demanda maior era para a Escola Víctor Gonçalves, e que já havia reclamações de moradores daquela região que ficavam sem vagas para os filhos devido ao critério anterior. Então, com 60 pretendentes e só 17 vagas, a comissão decidiu pelo sorteio entre os pretendentes”. E é essa decisão, de se fazer sorteio, que está sendo contestada. As mães preferem o critério do melhor aproveitamento, ficando com as vagas os alunos com as melhores notas. Alessandra disse que já marcou reunião com a comissão e as mães para buscar uma solução de consenso. A reunião deve acontecer nos próximos dias.

Compartilhe esta notícia