INFLAÇÃO - Agosto tem a maior alta desde 2000

Por Publicado em:10/09/2021 | Atualizado em:29/11/-0001 42

Índice oficial é de 0,87%. Nos últimos 12 meses, inflação oficial chegou a 9,68%

Enquanto uma parcela da população parece não enfrentar problema com as altas dos preços e prefere discutir questões políticas, como o embate do presidente com o STF, a maioria das pessoas sofre com a alta de preços. O IBGE divulgou no início deste mês o índice oficial da inflação de agosto, que ficou em 0,87%, a maior alta desde o ano de 2000, conforme os técnicos do setor econômico.

Para que esse índice mostre tamanho desemprenho, contribuem itens essenciais do dia a dia da população, como alimentação, energia elétrica, gás de cozinha e combustíveis. Com as geadas recentes, o setor de hortifrutigranjeiro teve elevação nos preços dos principais produtos. Os combustíveis, que têm o valor cotado conforme o dólar americano, tiveram altas acima de 30% neste ano, com o menor índice ficando com o óleo diesel, que apresentou elevação de 35,4% .
Na questão dos combustíveis, a discussão distorcida é em relação aos impostos, apesar de as alíquotas permanecerem as mesmas. Isto é, se um litro de gasolina custar R$ 2 ou R$ 7, o imposto incidente é de 31% em Minas, por exemplo, o que representa R$ 60 centavos ou R$ 1,40. Se o preço não subisse conforme a cotação do dólar, o valor pago de imposto também não subiria. Mas a politização da discussão atrapalha o entendimento, já que “é mais difícil pensar do que dizer besteiras”, como afirmou um economista independente, ao analisar os aumentos de preços recentes.

O gás de cozinha já está sendo substituído em muitas casas pela lenha, porém isso traz aumento no desmatamento e influencia no clima, consequentemente. A energia elétrica, que já subiu 21,1% neste ano, tem previsão de novas altas, já que não existe planejamento no setor de geração e distribuição – além, é claro, dos programas de privatização –, a saída é aumentar o valor para tentar diminuir o consumo. E quem pago o preço são as famílias mais pobres, aliás, a maioria da população.

Compartilhe esta notícia