INCLUSÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAIS - Empresas assinam termo de adesão aos projetos “Caminhos” e “Cidadania em Rede”

Por Publicado em:08/10/2021 | Atualizado em:29/11/-0001 56

Termos de adesão de empresas aos projetos “Caminhos” e “Cidadania em Rede” foram assinados nesta terça-feira, 21 de setembro, na sede do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Os projetos, iniciados em fevereiro deste ano são fruto de parceria entre o MPMG, por meio da Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social (Cimos), Tribunal de Justiça de Minas (TJMG) e Ministério Público do Trabalho (MPT) da 3ª Região.
Na mesma ocasião, foi assinada a resolução nº 15/2021, de 21 de setembro de 2021, que altera a resolução nº 2/2013 e regulamenta os procedimentos para instauração, promoção e implementação de projetos sociais. A resolução foi assinada pelo procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Jr., e pelo corregedor-geral de Justiça do MPMG, Luciano França da Silveira Júnior e vai proporcionar aos órgãos de execução do MPMG a possibilidade de firmar parcerias com entidades de direito privado nos assuntos de responsabilidade social, com atuação por meio de projetos sociais.
O coordenador de Inclusão e Mobilização Sociais, promotor Paulo César Vicente de Lima, lembrou o ambientalista Hugo Werneck, que dizia que vivemos na mesma casa e o MP deve trabalhar com e não contra alguém, viver em “comum unidade” e que não era possível excluir as empresas. “Não há outro caminho, ninguém transforma o mundo sozinho”, ressaltou.

A desembargadora Maria Luiza de Marilac, coordenadora do Núcleo de Voluntariado do TJMG, contou que os projetos “Caminhos” e “Cidadania em Rede” foram desenvolvidos de acordo com a Agenda 2030, da ONU. “Nós acreditamos que a concretização dos projetos conduzirá ao desenvolvimento de habilidades, criatividade e capacidade laborativa, componentes basilares da autoestima, e colaborará para viabilizar a inserção na sociedade de nosso público-alvo”, afirmou.
O vice-presidente do TJMG, desembargador José Flávio de Almeida, disse que integrar a Agenda 2030 da ONU por meio de ações de prevenção, aliadas aos objetivos de desenvolvimento sustentável, representa o compromisso do Poder Judiciário com o aperfeiçoamento para proporcionar um serviço mais célere e eficiente para a população. “A ideia é estimular a sociedade para que realize iniciativas em prol da população mais vulnerável”, declarou.

O procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Jr., enumerou os esforços do MPMG em prol dos direitos humanos e do terceiro setor e agradeceu as empresas e escritórios de advocacia que se juntaram aos projetos. “Só posso agradecer os que aderiram. As empresas enxergam que o lucro legítimo nao pode ser um bem absoluto, ele pode ser compartilhado de alguma forma com aqueles que mais precisam. Temos que ter a convicção de que é preciso sonhar para fazer”, finalizou.
Os parceiros que passaram a integrar os projetos “Caminhos” e Cidadania em Rede” são a ArcelorMittal, representada pelo CEO de Aços Longos para a América Latina, Jefferson de Paula; AVG Siderurgia, pelo presidente Bernardo Andrade Valadares Gontijo; Bemisa, pelo presidente Augusto Cesar Calazans Lopes; Extrativa Mineral S/A Cedro Mineração, pelo diretor jurídico Eduardo Soares do Couto Filho, Sindicato da Indústria Extrativa de Minas Gerais, pelo presidente Luís Márcio Vianna e Centro Mineiro de Alianças Multisetoriais, pela diretora Marcela Giovanna, escritório Dinorá Carla Sociedade Individual de Advocacia, pela advogada Dinorá Carlas e escritório Nepomuceno de Sousa Soares, pela advogada Cristiana Nepomuceno de Sousa Soares.

Segundo o CEO de Aços Longos da ArcelorMittal, Jefferson de Paula, a empresa vai contribuir financeiramente e também com outras ações para viabilizar os projetos, usando a experiência de 32 anos da Fundação ArcelorMittal. “As empresas não são só ganhar dinheiro, temos que pensar acima disso”, afirmou.
O “Caminhos” tem por objetivo promover a inclusão de pessoas em situação de vulnerabilidade social, em especial os egressos do sistema penitenciário, as pessoas em conflito com a lei - submetidas às audiências de custódia e aquelas em situação de rua. Já o “Cidadania em Rede” abrange ações de cidadania e fortalecimento social, voltado para as pessoas mais vulneráveis. Por meio dele, os moradores serão apresentados a um novo conceito de alimentação, com o incentivo de criação de hortas comunitárias e inclusão social por meio do trabalho, da arte e da cultura, inicialmente no aglomerado da Cabana do Pai Tomaz, região Oeste de BH.

Compartilhe esta notícia